Quando Shibli jogou a rosa

 rosa
A primeira vez que o nome de Shibli tornou-se conhecido foi quando Mansur al-Hillaj estava sendo assassinado. Muitas pessoas já foram assassinadas no passado por outras pessoas que se diziam religiosas – Jesus foi assassinado – mas nunca houve um assassinato como o que ocorreu com al-Hillaj.
Primeiro cortaram suas pernas – ele ainda estava vivo – depois suas mãos. Então sua língua foi cortada e seus olhos arrancados – e ele continuava vivo. Foi cortado em pedaços. E qual foi o crime que Mansur cometeu? Ele havia dito: “An’al Hak.” Significa “eu sou a verdade, eu sou Deus”. Todos os seers do Upanishad declaram isso, “Alam Brahmasmi” – eu sou Brahma, o Ser supremo”. Mas os maometanos não podiam tolerar isso.
Mansur é um dos grandes sufis. Quando começaram a cortar suas mãos, ele olhou para o céu, rezou para deus e disse: “Você não pode me enganar! Posso vê-lo presente em cada uma dessas pessoas aqui. Você está tentando me enganar? Veio como o assassino, como o inimigo? Não importa, eu lhe digo, qualquer que seja a forma em que você venha, eu o reconheço – porque o reconheci dentro de mim mesmo. Agora já não é possível me enganar.”
Shibli era um companheiro, um amigo de al-Hillaj. As pessoas estavam jogando pedras e lama em sinal de despeito, mas Shibli permanecia ali. Mansur ria e sorria. Subitamente ele começou a chorar, porque Shibli havia jogado uma rosa para ele. Alguém perguntou: “Qual é seu problema? Quando jogam pedras, ri – você ficou maluco? E Shibli lhe atirou apenas uma rosa, por que você está chorando?”
Mansur disse: “As pessoas que estão jogando pedras não sabem o que fazem, mas Shibli sabe. Para ele será difícil obter o perdão de Deus. Os outros serão perdoados porque estão agindo em total ignorância, não podem agir de outra forma. Em sua cegueira, isso é tudo que podem fazer. Mas Shibli é um homem que sabe. É por isso que estou chorando por ele. É o único homem aqui que está cometendo um pecado.”
E o que Mansur falou mudou a vida de Shibli completamente. Ele jogou fora o Alcorão, as escrituras e disse: Eles nem mesmo puderam me fazer entender isso: todo conhecimento é inútil.
Agora irei procurar o conhecimento adequado.” E mais tarde, quando lhe perguntaram por que havia atirado a flor, Shibli respondeu: “Tive medo da multidão. Se não jogasse nada, poderiam pensar que eu pertencia ao grupo de Mansur. Poderiam se tornar violentos também em relação a mim. Joguei a flor, era apenas uma solução intermediária. Mansur estava certo, ele chorou por meu medo, minha covardia. Chorou porque eu compactuei com a multidão.”
Mas Shibli entendeu, e o choro de Mansur tornou-se uma transformação.
OSHO

0 Responses to “Quando Shibli jogou a rosa”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Criado em 19 JUL 08

  • 2,842,741 visitas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 730 outros seguidores

Loja Virtual

🐑Ó mestre fazei me instrumento de vossa paz🌼Almofadinha São Francisquinho de Assis 💙

Mensagens (Ordem Alfabética)


%d blogueiros gostam disto: