Fardos Inúteis

Paulo Roberto Gaefke
Conta uma lenda, que dois monges que atravessavam uma área deserta, quando diante de um rio violento,
avistaram uma linda jovem que tentava atravessá-lo sem sucesso.
Um dos monges, não sem dificuldades,
Atravessou o rio e colocando a mulher em suas costas Conseguiu atravessar o rio em segurança.
A jovem abraçou-o agradecida,
Comovida com o seu gesto e seguiu seu caminho…

Retomando a jornada, o outro monge que assistiu a tudo calado, repreendeu o amigo, falando do contato carnal que houve com aquela jovem, da tentação de ter aquele contato mais direto com uma mulher,
O que era proibido pelas suas leis e durante um bom trecho do caminho, esse monge falou sobre a mulher e sobre o pecado cometido até que aquele que ajudou a jovem na travessia falou:

Querido amigo, eu atravessei o rio com a jovem e lá eu a deixei, mas você ainda continua carregando-a em seus pensamentos…

Assim, todos sabem que Deus não nos dá fardos maiores que aqueles que podemos suportar, e muitos dos nossos fardos já poderiam estar abandonados em outras curvas da vida,
mas nós insistimos em carregá-los.

Levamos nossas dores e frustrações ao extremo.
Dramatizamos demais, elevamos ao cubo cada dor, cada ofensa, cada contrariedade e por isso, não conseguimos relaxar, perdoar ou mesmo ser feliz, pois o peso que vamos acumulando em nossas costas são demais para qualquer cristão.

Neste dia especial, eu lhe convido a uma reflexão.
Quais são os fardos que você continua carregando e que já não estão mais com você?
Qual é a dor que você anda revivendo e fazendo com que velhas feridas voltem a sangrar?
Por que você não consegue perdoar quem lhe magoou?
Quantas oportunidades você anda deixando para trás por estar amarrado ao passado?
Desarme-se dos velhos pensamentos;
Do espírito da revolta, da tristeza.
Hoje é dia de desmontar o velho acampamento do comodismo e seguir adiante na longa jornada que a vida apresenta.
Quanto mais leve a sua mochila, mais fácil a subida rumo a felicidade…

Anúncios

4 Responses to “Fardos Inúteis”


  1. 1 Rosely agosto 28, 2008 às 9:48 am

    Olá Karin
    Este texto é mesmo do Paulo Roberto Gaefke?
    Procurei no site “Meu anjo” e não achei este título, nem este texto na íntegra.
    Sei que o início do texto é uma história budista, mas o enxerto é dele mesmo?
    E o título é esse mesmo?
    Aguardo resposta
    abraço
    Rosely

  2. 2 karinizumi agosto 28, 2008 às 11:46 am

    Rosely,
    Recebi esse texto por email,´por isso nao retirei a autoria, mas veja esse link, não se é confiavel, caso nao seja me avise, pois no site dele não tem como buscar e fica dificil ver um por um…

    http://www.therapeutas.com/index.php?t=5&i=35

    Bjks, Karin

  3. 3 Paulo Roberto Gaefke setembro 19, 2009 às 9:30 pm

    Eu recontei da minha maneira uma lenda Budista que realmente existe e infelizmente sem créditos de autoria…na verdade, o texto falava apenas do desâpego aos pensamentos e eu aproveitei para criar esta “estória” e atualizar para nossos dias.
    Obrigado
    PS no meu site não tenho todas as minhas mensagens, pois são mais de 3000. No Googlegroups : http://groups.google.com/group/meuanjo?hl=pt-BR tem 1950 mensagens que podem ser pesquisadas facilmente, e as mais antigas só no grupos em http://www.grupos.com.br/grupos/meuanjo, mas lá a pesquisa é por ano e mês.

  4. 4 sara novembro 19, 2010 às 4:21 pm

    adorei a mens.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




  • 3.091.581 visitas

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 753 outros seguidores

Ver por categoria

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: